notícias

Velozes e resistentes

Muitas pessoas pensam que o treinamento para a maratona se resume a adicionar quilômetros nos treinos a cada semana até o dia da competição. É bem verdade que não existe maratona sem um volume legal. Mas, para se preparar bem para os 42 km, é necessário um programa de treinamento que proporcione estresse no organismo do corredor de várias maneiras, forçando seu corpo e sua mente a se adaptarem ao desafio, mas sem sobrecarregá-lo ou lesioná-lo.

Uma das formas de causar esse estresse é fazer trabalhos de velocidade, que, mesmo na preparação para uma prova de resistência, não podem ser negligenciados. Os treinos de velocidade (intervalos, tiros e tempo-run, por exemplo) propiciam qualidade à planilha. Eles ajudam a suportar ritmos mais intensos e, consequentemente, permitem que corredores tenham uma maior tolerância ao lactato, melhorando a sua performance.

Além disso, fornecem dados importantes ao atleta, como VO2 máximo e em qual pace (ritmo) o atleta chega ao seu limiar de lactato (intensidade na qual o corredor não consegue sustentar determinada velocidade por muito tempo). Tudo isso fará com que o treinador direcione as sessões de corrida para tirar do atleta tudo o que ele pode dar e ajudará a montar uma estratégia de prova compatível com os limites e potencialidades do atleta.

Aqueles que só fazem trabalhos de rodagem e resistência correm o risco de estacionar em suas marcas. Não é que você não vá conseguir completar a prova, mas o fará num tempo muito maior. Contudo, é preciso algum cuidado ao fazer treinos rápidos: para evitar lesões, faço no máximo dois por semana. Se na planilha estiver escrito “regenerativo”, “longão em determinado pace”, respeite.

Um outro ponto é importante é não mentir para seu treinador sobre o seu nível de cansaço e sobre o pace no qual correu, pois isso dificultará a elaboração de treinos compatíveis com o seu perfil de atleta. Conforme a prova se aproximar e seu treinador indicar a fase de polimento, diminua os treinos de velocidade e pense na estratégia que irá adotar para concluir os 42 km. Bons treinos!

Márcia Ferreira é professora de educação física pós-graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com especialização em Ciência da Performance e Fisiologia do Exercício pela Universidade Gama Filho. Foi supervisora do treinamento de triathlon nos Jogos Panamericanos 2007 (RJ) e coordenadora técnica da MF Triathlon.

[facebook]

Gostou desse post? Então compartilhe com os seus amigos!
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on vk
VK
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Deixe o seu comentário
Posts Relacionados
Últimos Posts

TREINUS

Consulte agora a sua planilha de treino e feedbacks.
  • Pesquisar

  • Categorias

  • lugar

TREINUS

Consulte agora a sua planilha de treino e feedbacks.
  • Pesquisar

  • Categorias

  • lugar